Pesquise neste blog

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Monumento Pagode Chinês da Quinta da Boa Vista é restaurado e inaugurado


O monumento Pagode Chinês da Quinta da Boa Vista, inteiramente restaurado, foi inaugurado nesta quarta-feira. Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o monumento completa cem anos em 2010. O trabalho foi resultado de uma parceria de duas construtoras, a Concal e a RJZ Cyrela, que investiram R$ 710 mil na restauração, com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, e a Fundação Parques e Jardins.

O Pagode Chinês foi construído em 1910, quando o então prefeito Serzedelo Correa revitalizou a Quinta da Boa Vista. Nessa época, o Rio passava por uma grande transformação urbana. A cidade assumia ares de "Belle Époque", o estilo eclético caracterizava a arquitetura, e o metal (ferro fundido) ornamentava as edificações.


Fonte: O Globo online - 29/04/09.



sexta-feira, 24 de abril de 2009

Um Passeio por Santa Teresa

Dia 23 de abril é feriado no Rio. Dia de São Jorge. Aproveitamos o dia para passear em Santa Teresa e apreciar os detalhes do patrimônio, da arquitetura e das belas paisagens desse pitoresco bairro carioca.


Confira algumas imagens exclusivas do Blog Rio História & Patrimônio:


Bondinho fazendo a curva


Bondinho chegando...


Azulejos com motivos florais
no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo


Azulejos com motivos de frutas
no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo


Azulejos art-nouveau
no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo


Estátua de louça no alto de casarão


Data de construção de casarão histórico



Centro Cultural Laurinda Santos Lobo


Castelo do Valentim


Castelinho


Vaso de pedra


Santa Teresa ao cair da noite...


Fachada de casarão histórico


Elementos na entrada de casarão

Estátua de louça no alto de casarão



Fotos: Leo Ladeira

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Casa França-Brasil reabre após reforma de R$ 4 milhões


Restaurado e ampliado, espaço ganha mais salas de exposição, café e área externa

Fechada para obras há seis meses, mas há muito tempo abandonada como centro cultural, a Casa França-Brasil será reaberta amanhã, com a inauguração da exposição “28 milímetros — Mulheres”, do francês JR. Além da restauração da casa, acompanhada pelo Iphan, alguns espaços foram reformulados com projeto arquitetônico de Bel Lobo, num investimento total de R$ 4 milhões. A área externa, que não era usada, será aproveitada como um prolongamento do café, que ocupa o espaço do antigo cinema. Agora, um projetor digital permitirá projeções em quaisquer das salas do local, que foi ampliado com a transferência da área administrativa para os fundos.

— Ficou um lugar bem mais aberto — comemora a francesa Emmanuelle Boudier, diretora da Casa França-Brasil. — Painéis de madeira, que tampavam todas as janelas da sala, foram retirados. Agora temos muito mais luz e, mesmo de fora, dá para ver o interior. As pessoas vão se sentir bem mais à vontade.


Fonte: O Globo - 22/04/09.


sábado, 18 de abril de 2009

Prevista para abrigar um espaço de artes, a casa da diva Bidu Sayão, na Praça Tiradentes, vai virar o Centro Carioca de Design



Inaugurada pela prefeitura em 16 de dezembro, no apagar das luzes do governo de Cesar Maia, a Casa de Bidu Sayão abrigaria mais um centro de artes na cidade. Com a troca de comando na administração municipal, o local será transformado no Centro Carioca de Design, espaço destinado a exposições, palestras e cursos, e sediará um conselho de referência de designers. "Nossa intenção é abrir no fim de maio", diz a secretária de Cultura, Jandira Feghali.

Restaurado graças ao Projeto Monumenta – financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) –, o conjunto de dois sobrados do século XIX, na Praça Tiradentes, esteve em obras de janeiro de 2002 ao fim de 2008. E

Em um deles, o de número 48, nasceu e viveu até os 5 anos de idade Balduína de Oliveira Sayão (1902-1999), mais conhecida como Bidu Sayão, diva do mundo da ópera e única cantora lírica brasileira a alcançar fama internacional.

A construção foi unida nos fundos a outro casarão, na Rua Luís de Camões, 57, defronte ao Centro de Artes Hélio Oiticica. Juntos, os estreitos imóveis têm 470 metros quadrados de área em dois pavimentos. O térreo, com o piso revestido de pedras portuguesas, será um corredor aberto a eventos, ligando a praça ao centro cultural vizinho. Diretamente subordinada ao subsecretário de Patrimônio Cultural, Arquitetura, Intervenção Urbana e Design, o arquiteto Washington Fajardo, a nova instituição firmou convênio com o Ministério da Cultura e parcerias com a Escola de Desenho Industrial (Esdi/UERJ), a PUC, a UFRJ e a UniverCidade para formar designers em áreas como internet e iluminação.

Se a iniciativa será bem-sucedida, ainda é cedo para afirmar. Mas a secretaria já faz uma média com o setor: está patrocinando a viagem de profissionais da área, como Oskar Metsavaht, Sergio Rodrigues, Mana Bernardes, Gilson Martins e Francesca Romana, entre outros, para a abertura, no próximo dia 14 de maio, da mostra Destination: Brazil, que vai expor 75 produtos brasileiros na MoMA Design Store, a loja do Museu de Arte Moderna no SoHo, em Nova York.


Fonte: Veja Rio - 18/04/09.


sábado, 4 de abril de 2009

O novo Hotel Glória



RECONHECE? São simulações da fachada (imagem maior) do saguão e de uns dos quartos do que, no segundo semestre de 2011, de acordo com o cronograma das obras, será o novo Glória, após a profunda reforma pela qual passa o tradicional hotel carioca. Empreendimento de Eike Batista orçado em R$ 150 milhões, o Glória terá recuperada sua frente original, como foi concebida nos anos 1920.

Haverá ainda um espaço com bar e boate no topo, enfeitado pela vista do Aterro, do Pão de Açúcar e do Cristo. Por fim, o antigo anexo vai virar o Glória Tower, complexo de 11.000m² de escritórios.


Fonte: Coluna Ancelmo Góis - O Globo - 05/04/09.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

VAI SER UM “assombro na porta da Colombo”



... como no verso de “Sassaricando”, a marchinha de Luiz Antônio, Zé Mário e Oldemar Magalhães, quando o sobrado da foto renascer, restaurado, na sua beleza no estilo art déco. Bem ao lado da famosa confeitaria, no número 13 da Rua Gonçalves Dias, no Centro do Rio, a construção terá fachada e interior recuperados pela Arezzo, a rede de lojas de calçados, que abrirá ali uma filial. Será o renascimento do prédio de 1870, tombado pelo município em 1987, onde funcionaram o Café Glacier e a Casa Daniel, pedaços da história do Centro carioca.


Fonte: Coluna Ancelmo Góis - O Globo - 02/04/09.